13.5.09

Para ser Ilustrador Parte 2 – a base da base

Sabemos bem que um ilustrador não necessariamente desenha seus trabalhos com lápis e papel, tem gente que já sia pintando, tem gente que faz seus rascunhos diretamente numa tablet, tem gente que faz montagem com fotos, outros faz com tecidos, outros com recortes de papéis e outros chegam a montar estruturas de papel, isopor, madeira ou massinha.

No entanto estamos tratando de uma coisa básica, que é a formação de um ilustrador, da mesma forma como poderíamos falar da formação de um escritor, de um músico ou de um matemático.

Existe atualmente muita gente que até perde o fôlego de tanto berrar aos quatro ventos que um ilustrador não precisa saber desenhar, ou que um ilustrador não precisa ter uma formação clássica ou acadêmica.

Eu sou uma das pessoas que discorda completamente desse ponto de vista, e explicarei o motivo.

Imaginemos um matemático que não sabe as operações básicas ensinadas na escola, não estudou álgebra. Eu pergunto: tem algum modo de alguém que não sabe continha de mais, menos e nem tabuada vir a ser um matemático?

Agora, vamos imaginar um grande escritor, Jorge Amado, Machado de Assis, Eça de Queirós, Monterio Lobato, analfabetos. Como alguém que não sabe ler pode um dia vir a ser escritor, digo mais, como alguém que não sabe ler poderá um dia vir a ser um grande escritor?

Vamos então procurar outro exemplo, Mozart aos cinco anos já compunha suas obras. Mas seria possível compor sem saber teoria musical? Como se transformar em músico sem saber ler uma partitura? Eu aprendi a ler partitura e depois que eu aprendi a ler música por acorde (que é bem mais fácil) me transformei em analfabeto funcional de partitura, demoro minutos para ler e reproduzir um trecho de partitura, coisa que até eu ter aprendido a ler acordes eu fazia com certa facilidade.

Só que eu não sou músico, não tenho interesse algum em levantar um trocado com minhas execussões canhestras no piano. Mas se eu tivesse algum interesse em pelo menos tocar uma musiquinha em bar, precisaria ter algum domínio mais sólido da base musical.

Com desenho é a mesma coisa.

Se você tem algum interesse em trabalhar, fazer parte do mercado e até mesmo se sustentar como ilustrador, ouça esse conselho: vai estudar.

E estudar o quê? Estudar a BASE. Desenho, e desenho clássico. Ninguém chega a um lugar qualquer sem dar o primeiro passo e o primeiro passo nesse quesito é aprender desenho clássico.

Ah, mas eu quero fazer trabalhos modernos... não interessa!

Base é base, é o alicerce para uma estrutura, uma casa sem alicerce cai. Da mesma maneira que um profissional sem uma base de formação cai, e é justamente isso que vem contribuíndo para a derrubada do mercado de ilustração ao longo dos últimos vinte anos no Brasil.

Para se tornar um ilustrador, embora existam materiais como aerógrafo, tinta assim ou assada, computador, tablet e o escambau, um ilustrador de verdade é aquele que, em qualquer momento, demonstra que consegue se virar e muito bem apenas com um lápis e uma folha de papel.

Então eu vou fazer um curso que tem aí, é de seis meses e me disseram que é um curso básico de desenho...

Gente! quem consegue aprender alguma coisa que seja importante a ponto de se tornar a base de décadas de carreira profissional com um cursinho de seis meses?
Isso é humanamente impossível!

Um estudo já bastante conhecido revela que uma tarefa somente conseguirá ser completamente absorvida pelo cérebro humano a ponto de ser reproduzida com naturalidade se for repetida pelo menos mil vezes, isso significa que, se você quiser aprender a desenhar um círculo perfeito terá que desenhar esse círculo perfeitinho pelo menso mil vezes, para, depois disso conseguir repetir o mesmo desenho com um certo grau de naturalidade e automação. Isso é o que chamamos de domínio técnico.

Seja qual for a matéria dada, terá que ser excercitada pelo menos mil vezes para que você tenha domíno técnico a ponto de reproduzir essa tarefa com naturalidade e destreza.

Isso não acontece apenas com desenho, mas com qualquer outra formação, um músico também passa pelo mesmo tipo de necessidade, um médico também, é por isso que existem os residentes antes do estudante de medicina se tornar um profissional formado.

Procurem cursos realmente sérios de desenho, procurem saber qual é o conteúdo programático do curso que irão fazer e FUJAM do método construtivista.

Mas por quê?

Em primeiro lugar, consturtivismo não é método. Em segundo lugar porque a base do construtivismo é em fazer com que o professor trabalhe com os pontos de interesse do aluno, só que o aluno, seja ele qual for sempre tem mais interessa em alguma coisa e quase nenhum interesse em outra coisa, sendo que coincidentemente os pontos em que o aluno tem menos interesse são justamente os pontos em que o aluno é mais deficiente.

Procure cursos que obedeçam o método tradicional, neles por pior que seja você pelo menos terá a oportunidade de aprender nem que seja um pouquinho sobre cada princípio báscio de desenho.

Agora, porque fazer um curso de desenho clássico? Porque um curso de desenho clássico irá de passar todos os pontos básicos de desenho para que você tenha domínio técnico e artístico pleno daquilo que por séculos sempre foi considerado o certo em desenho. E essa não é minha opinião, basta ver trabalhos dos artistas renascentistas, barrocos, rococó, neoclássicos, românticos e os principais nomes das escolas modernas.

O que um iniciante deve procurar aprender num curso?

Bom, pode parecer idiota o que eu vou escrever agora, mas tem gente e também escolas de desenho que não sabem o que deve se ensinar para seus alunos, ou não conseguem chegar num consenso quanto ao que seria uma boa formação, por isso eu vou procurar dar uma ajudinha explicando um pouco o porquê eu considero esse pontos básicos:

1- desenho de objetos – é o princípio desenhar objetos como caixas quadradas, retangulares, cones, bolas, arranjos de objetos, etc. É a primeira experiência com o desenho própriamente dito e aonde alunos vão sentindo o grau de exigência que precisarão ter para continuar a sua formação.

2- perspectiva – entre o desenho de observação e o estudo de perspectiva existe uma transição natural e lógica, é aonde o aluno vai saber as teorias da perspectiva e depois terá oportunidades de aplicá-las no desenho, e percebendo através da observação que são princípios reais que auxiliam no aprendizado de desenho.

3- luz e sombra – é a evolução natural do estudo até então realizado, o aluno passará a reparar no volume dos objetos, a reflexão das luzes e como as sombras se comportam nas mais variadas superfícies, aumentando a acuídade do aluno, de maneira a fazer com que o mesmo vá se preparando para o momento de aprender a trabalhar com cores.

4- figura humana – é uma introdução a anatomia, aonde o aluno vai aprender a rascunhar e ter uma noção básica da composição da figura humana e os seus pontos de articulação.

5- anatomia – é impossível conseguir aprender a desenhar a figura humana com real domínio sem o estudo de anatomia. O aluno irá conhecer os formatos e proporções clássicas dos corpos, músculos e ossos que formam o corpo tanto masculino quanto feminino. Aliando o conhecimento de anatomia a construção da figura humana o estudante de desenho tem condições de resolver grande parte das questões em que o desenho exija figuras humanas.

6- mãos e pés – é uma variação da anatomia voltada para estudar com mais detalhamento o desenho das mãos e pés, pois ambos possuem uma complexidade e variedade muito grande de posições.

7- cabeça – se mãos e pés já são dignos de um estudo a parte, o estudo da cabeça em separado é mais do que necessário, pois nesse estudo o estudante terá condições de dominar os elementos do rosto como nariz, olhos, boca e orelha treinar a composição do rosto para manter sempre uma proporção harmoniosa entre esses elementos e domínio na hora de desenhar uma cabeça em ângulos diversos.

8- expressão facial – é um conjunto de variações de de todos oselementos que compõe o rosto humano. Esse estudo em separado irá possibilitar o aluno de desenho a ter domínio de variadas expressões e suas utilizações.

9- expressão corporal – assim como a expressão facial, saber montar um corpo humano com objetivo de fazer com que esse corpo “fale” é muito importante, ainda mais levando em consideração que a expressão corporal auxilia na própria expressão facial.

10- composição – é o momento aonde o estudante de desenho irá colocar à prova tudo o que aprendeu no estudo de desenho que fez até então, exercitando o que aprendeu e também ângulos diferentes, iluminação em conjunto com o dominio de objetos, figura humana e expressão.

Esses dez pontos, ao meu ver dão a um iniciante a base de sustentação, o alicerce para à partir daí estudar estilos, técnicas, montar um portfolio e começar a tentar um espaço ao sol.

Com esse estudo, um iniciante ainda estará longe de ser considerado um ilustrador, mas terá aquilo que mais faz diferença depois que um ilustrador se profissionaliza, que é uma formação mais sólida.

Ainda para completar esse tópico, depois de ter estudado esses pontos recomenda-se que o iniciante retorne a fazer esses treinos temporariamente, ou sempre que perceber que tem dificuldades em dominar algum fundamento do desenho, e isso não é recomendado apenas quando o ilustrador estiver no começo de sua carreira, mais ao longo de sua vida.

Também é recomendável que, depois de ter estudado essa base, o iniciante tenha o hábito de frequentar sessões de desenho de modelo vivo, que é uma forma de smepre manter o frescor do estudo de anatomia.

No próximo texto, eu irei falar sobre o aprendizado de materiais de pintura, quais suas indicações e linguagens indicadas.

2 comentários:

  1. Opa
    Curti muito o seu blog cara!!
    E suas palavras são a mais pura verdade.
    Sou formado em artes, trabalho como ilustrador cientifico e freela editorial para livros por meu trab ser complexo demais para periodicos.
    Assino embaixo o que vc diz de treinamento, cheguei a preencher diversas pastas com somente desenhos de circulos, quadrados e retangulos, para "ensinar" a mão a soltar o traço.
    Hj faço peças q levam de 2 a 3 meses para serem concluidas.
    Da uma olhada no flickr p saber do que estou falando..
    Abrax
    M.Ramos
    http://www.flickr.com/photos/pontilhismo

    ResponderExcluir
  2. Cara, seu trabalho é foda...
    é preciso muita paciência e muito esforço para fazer o trabalho que você faz.

    O mercado precisaria reconhecer mais pessoas como você.

    ResponderExcluir

Deixe seu recado, faça sua observação, crítica ou sugestão.

Visitor IP Address Country

Art of the Day