23.11.05

Aos misticos

Eu não acredito em milagres!

Eu acredito em esforço, em trabalho, estudo, em reconhecimento pelo mérito.
Eu acredito em merecimento, eu acredito em doação, em humildade, em boa vontade.
Eu acredito na lógica, na inteligência, no raciocínio, no bom senso.
Eu acredito em quem ama e sabe porque ama, em quem ajuda e sabe como ajudar.
Eu acredito an caridade aliada à inteligência, a bondade daqueles que sabem as conseqüências de seus atos.
Eu acredito na inteligência como marco absoluto do universo, questão principal e maior de tudo o que existe.
Eu acredito que o universo é nada mais nada menos do que a união de todas as mais absolutas formas de inteligência interagindo em nome de uma única força: Deus.

E não esse deuzinho sem vergonha de barba, em cima de um trono, em cima das nuvens que vê tudo, que castiga uns e premia outros. É vergonhoso saber que ainda hoje algumas pessoas confundem Deus com Zeus.

Eu não acredito que no Universo só exista nós, seria um desperdício um Universo tão belo e vasto sem vida inteligente habitando nela.

Eu também não acredito no Diabo. Se ele existisse é porque Deus o fez. Se Deus o fizesse ele seria mal. Se Deus fosse mal, não seria perfeito. E não seria Deus...

Eu não acredito em santos, nem em anjos. Eu acredito na igualdade dos seres.

Eu acredito que somente não somos iguais porque uns são mais preguiçosos que outros.
Eu acredito no futuro. Eu acredito na vida. Eu não tenho medo do que possa vir a acontecer. Mesmo se muitas desgraças assolarem a humanidade.

Aliás, eu até mesmo anseio o dia em que a humanidade prepotente e falida começar a colher os muitos séculos e séculos de egoísmo e orgulho.

E se eu sucumbir também?
Não tem problemas, se eu sucumbir é porque eu também mereço. À cada um segundo suas obras.

É engraçado, mas o ser humano tem o péssimo hábito de querer em tudo mandar, em tudo controlar, quer porque quer ser o máximo, a força mais poderosa e sábia do Universo. Quer até mesmo ditar o que Deus é e o que gosta, o que é bom e o que é ruim.

Pena que o tempo passa e com o tempo também mudam os conceitos humanos e aquilo que para muitos era tido como vontade de Deus passa a ser apenas a expressão birrenta de um menino mimado.

Aliás a humanidade é exatamente isso, um bando de moleque mimado, ranhento, birrento e todo sujo de merda sem capacidade de limpar suas próprias fraldas.

Mas as pessoas de fé acreditam que algum milagre irá acontecer e quem sabe assim a humanidade se regenere....

Milagre???? Eu não acredito em milagres.

Eu acredito que um dia nós aprendamos, eu acredito que um dia a humanidade chegue a idade adulta. Pelo seu próprio esforço, pelo seu próprio trabalho e pelo seu próprio mérito. Nem que pra isso nós tenhamos que sofrer muitos castigos e tomar muitas palmadas.

Não é feitiçaria, é tecnologia!

21.11.05

Dias Dificeis

Eu ultimamente ando me perguntando se realmente vale a pena lutar tanto para colocar na cabeça de pretensos profissionais da área de ilustração algum juízo, sendo que eu já cansei de ver muitos desses mesmos "pretensos profissionais" empacamentos e birras, do tipo batendo o pé, esperneando e tudo mais porque querem de qualquer jeito, a qualquer custo, ganhar o seu, defender o seu sustento, não querem estudar, não querem se desenvolver, não querem se preparar para atuar no mercado ne maneira mais completa, mais eficiente, com mais consciência do seu papel e da sua utilidade, com um trabalho mais consitente, mais forte e que dê mais retorno, e que dessa maneira faça de você um profissional com mais poder de negociação.

Qualquer um sabe que a nossa época é difícil, que é desumano passar por tantas privações e quanto precisamos ter paciência para chegarmos ao nível profissional ideal para que, somente depois disso tudo, se comece a atuar profissionalemtne no mercado.
Acontece que quando o iniciante olha somente o seu lado e não vê o todo, não encherga que aquilo que pode resolver uma necessidade imediata tem grande chance de se transformar numa ameaça para o seu próprio futuro profissional. E de quebra acaba com o futuro profissional dos seus colegas de profissão.

Um ilustrador tem uma carreira muito longa se comparado à um Diretor de Arte, por exemplo, com a vantagem de que quanto mais tempo de profissão o ilustrador tiver, maior aprimoramento técnico ele terá e melhor será o seu trabalho. Acontece que toda essa bagagem de primor técnico e conhecimento artístico tem um valor, que vai muito além da sua simples condição momentânea. Um trabalho de ilustração vale pelo estudo de anos e anos, pelo treinamento que o ilustrador teve durante muito tempo, chegando quase a exaustão para se conseguir chegar nesse graus de qualidade, pelos curso feitos, pelos materiais trabalhados e pelo domínio que o ilustrador tem desses mesmos materiais.

Quem compra uma ilustração, compra junto uma história, uma formação, um ideal, um universo que permitiu que essa mesma ilustração pudesse hoje ser feita e que a insere no contexto geral de todas as outras ilustrações que existem como algo único exclusivo e de valor técnico e artístico.

Quando o ilustrador opta por simplesmente cobrar aquele dinheirinho que no final do mês vai dar pra pagar as suas contas e acabou, ele rompe todo um processo que gera um círculo virtuoso no mercado de ilustração. O ilustrador não tem como bancar pra si mesmo mais estudo, mais pesquisa, melhores instrumentos de trabalhos e ferramentas de melhor qualidade e mais atualizadas, Esse mesmo ilustrador está acabando com a possibilidade de poder ter um estagiário ou assistente que possa aprender decentemente todos os caminhos das pedras e ter maior consciência do mercado e do universo de ilustração pela convivência de um profissional que no futuro será um colega de profissão pronto pra unir forças com você, e não mais um concorrente querendo derrubar o restante da concorrência.

Quando um ilustrador não consegue nem ter um assistente de tão pouco que cobra por seu trabalho, está deixando de orientar um aspirante a ilustrador. Esse aspirante, não vai ter como saber exatamente o que deve desenvolver no seu trabalho para ser um ilustrador melhor, não vai saber qual tipo de estilo e qual tipo de linguagem é melhor indicada para dar o melhor resultado para cada tipo de trabalho, não vai saber quanto vale o seu trabalho, não vai saber como negociar, como abordar um cliente e como agir mediante o mercado e como ser um profissional ético que saiba concorrer no mercado com os demais profissionais sem prejudicar o mercado e a si próprio.

Na verdade, esse aspirante a ilustrador vai ficar mais perdido do que cego em tiroteio. Vai ficar a mercê de qualquer "cliente bonzinho que adora dar uma chance pra que tá começado". Sem contar que esse mesmo aspirante pode, pelo fato de não ter recebido atenção do ilustrador profissional, se transformar em um inimigo de profissão, com vontade de derrubar o seu "desafeto" pelo seu comportamento pouco amistoso de início. Agora, imaginem esse mesmo novato inimigo, tendo em sua atitude profissional a condição de "castigar" o seu antigo desafeto. Qual poderia ser a sua atitude de desforra? Pode ser desvalorizar o estilo do tal sujeito perante os seus clientes mais próximos, prejudicando de quebra outro profissionais com o mesmo tipo de trabalho, ou cobrando mais barato pra passar por cima do seu desafeto atravéz do preço e contribuindo para que o mercado que já não está nem um pouco bom fique pior ainda.

Será que as pessoas não raciocinam? Será que as pessoas são incapazes de prever as conseqüências de seus atos? Toda a vez que eu argumento com outros profissionais a respeito desses problemas eu costumo ver colegas que simplesmente não conseguem compreender essas possíveis conseqüências, outros me ouvem com aquela expressão de quem simplesmente não acreditam em nada disso. Outros, por sua vez até percebem lógica, mas me respondem com a desculpa de que não são assim tão idealistas ou que não são assim tão preocupados com as conseqüências de seus atos.

Eu, sinceramente, começo a acreditar que a humanidade não tem jeito. E tudo isso porque muitos simplesmente preferem pensar em si próprios. Se esquecem que ao se pensar em todos você mesmo se inclui e se beneficia com seus atos, com o diferencial que também beneficia outras pessoas. Existem clientes igualmente irresponsáveis que querem por toda lei tirar o máximo de lucro com o mínimo de gasto para profissionais especializados, como é o caso dos ilustradores. Estão matando a sua galinha dos ovos de ouro. Isso já acontece atualmente no mercado editorial, e se não houver consciência, também irá acontecer no mercado publicitário.

Eu sei que que muita gente pode ler esse texto e me achar uma espécie de profeta catastrófico, agente do apocalipse do mercado de ilustração. Pode achar que na verdade eu sou exagerado, mesmo. A verdade não é nada disso, a verdade é que cada um de nós que fazemos parte do mercado que envolve ilustração é responsável pelo futuro da ilustração no mercado, como instrumento útil e artístico dos meios de comunicação, como ponte indispensável de comunicar um conceito, uma ideía ou um produto para o público geral. Todos temos responsabilidade no resultado geral.

Acontece que atualmente os próprios ilustradores tem em suas mãos a condição de regenerar o mercado com suas atitudes ou afundar o mercado de vez.

Um exemplo claro disso tudo é o que acontece no mercado editorial. Pagam mal? Pagam! Então o que a gente faz? Nada. Absolutamente nada. Não trabalha pra eles. No dia que alguma editora me chamar pra fazer um trabalho, ou paga o que o trabalho vale, ou vai ter um trabalho que valha o que eles pagam e pronto!

Eu já vi Editor de Arte com a cara de pau de pedir publicamente que se a gente quiser ganhar melhor, que a gente se esforce para fazer trabalhos cada vez com mais qualidade, com mais detalhes para vender mais livros e aí, quem sabe as editoras remunerem melhor os ilustradores.

No dia que só aceitar trabalhar pelo salário de miséria do mercado editorial ilustrador chumbrega que não é capaz de acrescentar nenhuma qualidade ao produto final porque os profissionais bons simplesmente não aceitam trabalhar pelos valores ridículos do mercado editorial, aí, as editoras vão começar a arranjar verba rapidinho. E do nada!

O importante é os ilustradores se esforçarem para que a profissão seja regulamentada, reconhecida, que tenha uma formação própria e direcionada, que haja uma ordem capaz de orientar os profissionais e os iniciantes, ter profissionais responsáveis com o mercado e com os profissionais. Dessa forma poderemos forçar o mercado a se adaptar a profissionais mais capacitados de maneira mais natural, poderemos com o tempo também transmitir ao público em geral uma consciência maior de quem somos, do que fazemos e da importância do que fazemos.

Vamos, todos nós, procuremos nos esforçar, procuremos fazer, tentar para conseguir. Só assim nós iremos virar o jogo, que atualmente não tem vencedores, só perdedores.

8.11.05

Resposta para a mensagem de uma amiga

Outro dia, uma amiga, me havia perguntado por email como haiva sido o meu começo como ilustrador.

A resposta que eu enviei, eu reproduzo agora na íntegra, pois acredito que seja de conteúdo importante para as pessoas que queiram seguir uma carreira. não importa se como ilustrador ou não.

Segue abaixo a mensagem:

Olá *****, desculpa a demora, essa semana anda corrida e eu quase não consegui te responder.

Eu trabalho a mais ou menos quinze anos como ilustrador, vim de Sorocaba pra cá com uma mala na mão e um colchão enrolado nas costas tentar a sorte. Meu primeiro emprego foi numa produtora de vídeo, eu fiquei lá uns seis meses e depois perdi o emprego. Foi uma das fases difíceis da minha vida, eu fiquei mais de um ano desempregado.

Depois dessa época eu entrei na MacCann Erickson e lá eu fiquei por quase cinco anos. Foi aonde eu aprendi a ser ilustrador de verdade, fiz muitas amizades e aprendi muito mesmo.

Aí eu amarguei um período sem emprego que eu custei pra aceitar que deveria trabalhar como freelancer. Nessa época eu fiquei uns dois anos me revezando de momentos com trabalho e momentos sem coisa nenhuma. Tanto nessa fase, quanto na primeira vez eu cheguei a passar fome, mas dessa vez era mais difícil, porque eu já tinha algumas contas pra pagar e me endividei muito. Mas eu não sei porque cargas d'água eu ainda insistia em continuar. Eu acredito que qualquer pessoa nas minhas condições já teria entregado os pontos...

Foi nessa época que eu comecei a me envolver com trabalhos pra Internet, eu peguei justamente o Boom do mercado de internet, fiz muita coisa e fiz muitos amigos nesse meio. Atualmente muitos desses meus amigos são donos ou diretores de produtoras de internet.

Infelismente depois que esse a bolha do mercado de Internet estourou, eu percebi que se continuasse nessa área, eu iria acabar com muitas dificuldades pra me manter. Então, depois de dois anos que eu não mais havia trabalhado com ilustração resolvi partir pro tudo ou nada.

Graças à Deus eu tive sorte e logo depois de um mês eu estava contratado na Carillo Pastore, que na época era a quinta maior agência do país, só que eu não cheguei a ficar nem seis meses lá.

Depois de tudo isso, eu resolvi me assumir como freelancer e desde então venho conseguindo me manter com meu trabalho, sem muitas ambições, mas com responsabilidade no trabalho.

Ainda mais hoje, com o meu trabalho mediúnico de pintura, eu começo a entender porque eu nunca desistia. Talvez isso era pra acontecer, talvez eu tivesse que com todas as dificuldades me burilar, me reformar para que um dia eu pudesse fazer o que eu faço.

Hoje em dia eu acredito que conseguir é questão de antes de mais nada persistir e jamais desistir. Todas as pessoas que eu conheço e que conseguiram alguma coisa, somente conseguiram porque continuaram, mesmo nos momentos mais difíceis da vida. Existem muitas pessoas que me conheceram nos meus momentos de vacas magras que ao me verem hoje em dia custam acreditar que depois de tantos problemas, tudo passou e enfim, eu consegui.

A única coisa capaz de manter um homem vivo, é a capacidade de sonhar. Não deixe os sonhos para trás, continue, persista, insista, tenha fé e confie. Não há conquista sem esforço, e por mais que o esforço seja duro e custoso, a recompensa sempre vale a pena. Hoje eu sou muito agradecido a Deus por tudo que eu já passei, bom ou ruim, todas as dores, todas as provações fazem de mim a pessoa que atualmente eu consigo ser. E eu espero, sinceramente, poder sempre melhorar a mim mesmo, corrigir os meus defeitos para que jamais eu volte a precisar sofrer privações para merecer uma vida melhor.

Chega um momento na vida da gente que muito da nossa ambição de outrora se transforma em aceitação. Aí a gente começa somente a desejar aquilo que de bom podemos ter ou dar, sem nada mais. Então tudo meio que se transforma a nossa volta. Aquelas coisas que sempre quisemos e que antes pareciam tão difíceis de conseguir começam a se tornar realidade. Tudo isso só porque não mais desejamos, mas porque aceitamos, e começamos e compreender que tudo que nos é dado nos traz sempre uma grande responsabilidade.

Espero um dia poder passar um pouco da minha experiência pras pessoas, para que elas aprendam sem ter que sentir na pele todas as provações que eu senti, para que consigam sem sofrer tanto. Se um dia eu consegui aplainar o caminho de outras pessoas, eu posso me dar por satisfeito.

[]'s
Flavio Roberto Mota

Ilustrador
11 3276 2956
11 9634 6856
http://www.flaviomota.com.br
http://ph0bia.blogspot.com
ICQ 61641833
AIM flaviormota
MSN flaviormota@hotmail.com

Visitor IP Address Country

Art of the Day